Para onde está indo a arrecadação da iluminação pública?

Escrito por Agostinho Alves do Vale em . Publicado em GERAL

No mês de outubro fará dez meses de arrecadação da taxa de iluminação pública em Boca do Acre, perfazendo um valor aproximado de 300 mil reais. Até dezembro, no fechamento do primeiro ano da gestão do prefeito José Maria Silva, serão 360 mil reais, valor esse que pode ser bem maior do que o estimado, mas na contramão da arrecadação, está o investimento do poder público na manutenção das luminárias que deveriam servir para deixar nossas ruas às claras.

Depois da primeira matéria divulgada pelo jornal Opinião, a informação mudou a respeito da empresa que poderia ter vencido o certame licitatório para realizar o serviço de troca de lâmpadas, luminária, e outros mecanismos.

Cidade escura

Com ou sem empresa, o fato é que não é incomum encontrar ruas nos quatro cantos da cidade que estão completamente às escuras. A estrada do Piquiá, que foi iluminada ainda no mandato da ex-prefeita Dorinha e teve uma manutenção precária com Iran Lima, desta vez não está recebendo qualquer atenção e exibe trechos grandes de total escuridão.

Risco

Moradores dos bairros mais afastados têm feito contato constante com o jornal Opinião, pedindo para que o assunto seja abordado pelo periódico. Os residentes reclamam principalmente do aumento de fatos que levam risco à segurança e à integridade física deles, uma vez que o ambiente inseguro é propício para a ação de criminosos e território convidativo ao consumo de drogas.

A primeira informação de que teria sido o empresário Eli Assem de Carvalho, o ganhador da licitação que não chegou a ser divulgada e homologada, não foi confirmada pela prefeitura. Perguntamos sobre um suposto esquema para favorecer Assem, mas também não obtivemos respostas.